Atriz brasileira trans que atuou em 'Mulher-Maravilha' fala da transição: "passava ou preferiria não viver mais"

A atriz e modelo trans brasileira Marcella Maia conta como foi o processo de gravação e as dificuldades que passou na vida e carreira

Marcella Maia no set de Mulher Maravilha (Foto: Reprodução / Instagram)
Marcella Maia pode não ser um nome conhecido para você -- ainda. A modelo mineira transgênero está conquistando seu espaço na moda em campanhas de grandes marcas e desfiles, e também  no cinema, sua grande paixão. Prova do sucesso foi sua atuação no filme de sucesso Mulher-Maravilha, em que interpretou uma das amazonas, ao lado de Gal Gadot e da modelo Doutzen Kroes. Agora, ela e se preprara para o lançamento de uma série televisiva inspirada em sua vida.

Nascida em Juiz de Fora, Marcella se assumiu uma mulher trans e desde então viu sua vida mudar: "Tudo o que me atingia acabou". Em conversa com o QUEM Inspira, a atriz conta sobre o preconceito que sofreu ao longo da vida, o medo de morrer por conta da violência no Brasil contra os trans e homossexuais, e sua libertação até realizar a operação de mudança de sexo na Tailândia: "Quando me vi no espelho pela primeira vez após a cirurgia, tudo fez sentido". Veja só!
PRECONCEITO
"Aos 13 anos meus pais me levaram a um endocrinologista. Não cresciam pelos no meu corpo, barba, eu não tinha a voz grossa. Enganava eles fingindo que iria tomar os remédios, mas não o fazia. Imagina, eles eram da Igreja Batista! Mas eu já sabia que não queria aquilo. Saí da casa dos meus pais sendo um menino. Foi quando fui para fora do país tentar minha carreira de modelo. Quando saí do Brasil eu estava traumatizada por tentar ser uma mulher. Uma vez eu e um amigo fomos surpreendidos na rua e fomos vítima de agressões verbais e físicas. Meu medo de me assumir era grande demais por medo de morrer."
CARREIRA INTERNACIONAL
"Em 2009 fiz minha operação de transição de gênero na Tailândia. Foram 11 horas na sala de cirurgia. Depois disso, mudei meus documentos e minha carreira de modelo começou a acontecer, recebi uma proposta de modelar fora do país e passei uma temporada em Istambul,Turquia e depois Milão. Lá fora eu não falava que era trans, não queria ser julgada.
Marcella Maia: um bate-papo real (Foto: Diego Rodrigues / Divulgação)
MULHER-MARAVILHA
"Foi uma experiência surreal. O convite aconteceu través de casting por foto. Minha agência me ligou e disse que eu estava em opção para um trabalho nos estúdios da Warner Bros, em Londres, mas não sabia ao certo o que era. Foi um supresa! Foram quatro dias de gravações em Londres ao lado da maravilhosa Gal Gadot. Eu e a Doutzen Kroes éramos as únicas modelos do casting, o que gerou uma certa indisposição. Rolou um preconceitozinho por parte do elenco pelo fato de não sermos atrizes. Mas a experiência foi boa demais!"
ACEITAÇÃO
"Me assumi uma mulher trans para a imprensa e amigos em 2017, quando fiz a participação em Mulher Maravilha. Eu era a única brasileira ali no elenco e ninguém sabia que eu era trans, apenas um amigo meu que cuidava dos figurinos. Certo dia me senti tão sufocada e guardar aquilo me machucava tanto que eu queria dizer ao mundo quem eu era. A partir do momento que me assumi, tudo que me atingia acabou. Voltei recentemente do casamento do meu primo, e a família toda me viu como mulher pela primeira vez. Eles queriam conversar, entender o que tinha se passado comigo. Hoje a nossa realção melhorou demais."
TRANSIÇÃO DE GÊNERO
"Eu queria tanto a cirgurgia! Mas quando estava deitada, já na sala de operações, me bateu um desespero e eu quis desistir. O medo apareceu. Quando decidi fazer a cirurgia de sexo eu tinha duas questões principais: vai ficar bonito? continuarei tendo prazer? Mas meu médico e equipe me acalmaram e eu segui em frente. Quando tudo acabou e eu cai em si vi que tudo fez sentido. Ao me olhar espelho pela primeira vez me reconheci, sabe? Sou muito segura da minha sexualidade. Se precisasse operar de novo eu faria."
Marcella Maia no set de Mulher Maravilha (Foto: Reprodução / Instagram)
LUTA
"Nós, trans, temos medo de morrem pelo simples fato de sermos quem somos. É horrível, desesperador. Mas eu não desisti e corri atrás da minha felicidade, que no caso foi a cirurgia. Ou eu passava pela transição [de gênero] ou eu não queria mais viver. É uma luta diária, mas você tem que ser fiel a sua verdade. Vou desfilar na Parada Gay, em São Paulo, neste dia 3 de junho. Vou participar também de dois seminários sobre mulheres trans. Levanto essa bandeira em rudo o que faço."
CINEMA
"Meu sonho é trabalhar no cinema hollywoodiano. É uma estrada longa, eu sei. O cinema sempre foi o que quis fazer -- adoro tudo o que há nele, desde o processo de direção, achar seu melhor ângulo, a pluralidade. Estou me dedicando bastante à carreira de atriz, estudando muito e praticando. Ser atriz é viver aquilo intensamente, o que é o mais incrível. Tenho uma série bem legal que está sendo produzida, não posso falar sobre ela ainda!"
Marcella Maia: um bate-papo real (Foto: Diego Rodrigues / Divulgação)

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.